28 setembro 2021

PROMULGAÇÃO DA LEI DO VENTRE LIVRE NO BRASIL

28 de Setembro de 1871. O Senado brasileiro aprova uma Lei que recebe o número 2.040 e que torna automaticamente livres os filhos das mulheres escravas que nascessem a partir daquele dia. A intenção era a de criar um regime gradual de transição entre um mercado de trabalho que estava assente na escravatura e um regime de contratação de assalariados mais tradicional. Como tantas vezes aconteceu na história do Brasil, aquilo que se legisla não se consegue aplicar na prática, e depois é uma evolução reactiva prática ao que já existia que obriga por sua vez à adopção de uma nova legislação. Os escravos no Brasil serão completamente libertados em 1888.

«A Princesa Imperial Regente, em nome de S. M. o Imperador o Sr. D. Pedro II, faz saber a todos os súbditos do Império que a Assembleia Geral decretou e ela sancionou a lei seguinte:

Art. 1.º - Os filhos de mulher escrava que nascerem no Império desde a data desta lei serão considerados de condição livre

27 setembro 2021

A PENÚLTIMA CONQUISTA DE CABUL PELOS TALIBÃS

27 de Setembro de 1996. Foi a última vez que os talibãs conquistaram Cabul, antes da conquista do mês passado que passou em todas as notícias. 25 anos passaram-se e a história repetiu-se. Mas esta foi apenas a história da presença norte-americana no Afeganistão, a que terminou embaraçosamente quando vimos as cenas da debandada do aeroporto de Cabul. A história do Afeganistão está a continuar, e, quem a conhece, sabe que a conquista e o controle da capital do país até pode funcionar como uma adversidade. Neste momento, por exemplo e em concreto, o problema do governo provisório do regime talibã é conseguir ser reconhecido pela comunidade internacional. O que lá se passa deixou de ser um problema do amor-próprio dos americanos mas vai continuar a ser um problema corrente dos afegãos.

26 setembro 2021

HOJE É UM DIA BASTANTE OPORTUNO PARA A RTP CONVIDAR HERR KRIPPAHL A COMENTAR AS ELEIÇÕES ALEMÃS

Publiquei originalmente este poste em 22 de Maio de 2020, quando fui ainda a tempo de assistir ao trecho final de uma entrevista que o humorista Herman José dera à RTP3, numa altura em que comentava a política nacional, nomeadamente as presidenciais que iriam ter lugar no final daquele ano (acima). Falou-se de Marcelo Rebelo de Sousa (de que ele não tinha dúvidas nenhumas que seria reeleito) e de Ana Gomes (que ele achava giríssimo se fosse candidata - como foi), também de André Ventura («um actor que estava a fazer o seu papel») e daí derivou-se para Bolsonaro no Brasil e Trump na América. Mas, paradoxalmente, o que ficou mesmo por perguntar foram assuntos sobre aquela realidade política em que Herman Krippahl pode participar como cidadão alemão, perguntas sobre a sua opinião sobre o que poderá ser o futuro da Alemanha depois da previsível saída de Angela Merkel e, em fez de André Ventura, ouvi-lo a respeito do que pensará da AfD, que, em vez de um (Ventura), tem noventa e dois deputados no Bundestag. Por uma vez, que a RTP dispunha da oportunidade de entrevistar em exclusivo um alemão genuíno (e que, ainda por cima, fala sem sotaque!), Vítor Gonçalves desperdiçava-a por razões que não descortino...

LISBOA COMO ENTREPOSTO CENTRAL DAS VIAGENS DE E PARA A AMÉRICA - 3

Por uma terceira vez (depois de Outubro de 2020 e de Janeiro de 2021) se chama a atenção aqui no blogue para a centralidade de Lisboa no trânsito das mais proeminentes entidades aliadas durante a Segunda Guerra Mundial. Na edição do Diário de Lisboa de 26 de Setembro de 1941 conseguem-se encontrar, avulsas, referências a: a) uma troca de funcionários diplomáticos e consulares britânicos e alemães, capturados durante o conflito, que iria ter lugar em Lisboa, envolvendo entre eles o antigo embaixador britânico em Bruxelas; b) outro embaixador britânico, o acreditado em Washington, que, vindo de Londres, regressava ao seu posto; c) ainda um terceiro embaixador britânico, o colocado em Madrid, que, mesmo colocado em Espanha, regressava a Londres passando por Lisboa; d) um enviado especial do presidente norte-americano junto do Vaticano (só passará a haver embaixador em 1984...) que regressava de Roma, partindo naquele dia para Londres.

25 setembro 2021

O MOMENTO POLÍTICO DE HÁ 90 ANOS

25 de Setembro de 1931. O general Vicente de Freitas, uma das figuras político-militares mais destacadas da Ditadura Militar, tendo presidido inclusive ao governo entre Abril de 1928 e Julho de 1929, dá uma prolongada entrevista ao jornal «O Século». Abaixo transcrevem-se algumas das passagens mais substantivas dessa entrevista, mas o que importa reter, especialmente para aqueles que não se dispuserem a ler as suas declarações, é que, nas condições políticas então vigentes (governava um governo presidido pelo general Domingos Oliveira com Oliveira Salazar na pasta das Finanças, havia quem antecipasse uma transição para uma ordem constitucional de um regime conservador mas muito longe de se revestir das características que enformaram o Estado Novo. As duas concepções de regime entraram em confronto aberto em princípios de 1933 e, como se sabe, foi a de Salazar que prevaleceu; Vicente de Freitas acabou politicamente marginalizado. Mas que não fique a ideia que a implantação do Estado Novo teria sido uma fatalidade; entre quem assumiu os comandos do Ditadura saída do golpe de 1926 houve outras pessoas a pensar outras coisas diferentes das de Salazar.

« - É preciso sanear a atmosfera, urge acabar com o espírito revolucionário; para isso é indispensável que todos os portugueses, sinceramente amantes da ordem e da República, se unam para que à desordem não suceda o caos. Julgo que tenho autoridade para falar assim, pois sabem todos que não entrei em revoluções, tendo pelo contrário conseguido evitá-las, fazendo-as abortar, pois julgo que é esta a forma de evitar as desastrosas consequências que delas advêm. Repito: julgo que é preciso – para não voltarmos ao passado que todos repudiam, para que se vença a crise apavorante que estamos sofrendo e para que termine de vez o ciclo revolucionário em que temos vivido – é indispensável trazer para a vida pública os republicanos velhos e os novos, leais e honestos, que queiram numa conjunção de esforços cooperar para sairmos da situação em que nos encontramos. Creio até fácil encontrar uma plataforma em que todos nos pudéssemos unir.»

« - Há princípios novos a estabelecer, há questões de direito constitucional a debater, quanto antes, pois estamos a dezoito meses do termo do mandato presidencial. Assim, entendo que a eleição do Presidente da República deverá sempre ser feita por sufrágio directo, tornando assim livre o Presidente de todas as dependências parlamentares. O Presidente seria eleito pela Nação e não por uma maioria parlamentar. Suponho que daqui adviriam inúmeras vantagens para a tranquilidade da vida política portuguesa. Quanto à organização do futuro Parlamento, sou de opinião que se devem manter as duas Câmaras: a Câmara dos Deputados, eleita por sufrágio directo; o Senado, constituído por representantes das classes. É necessário que o Parlamento seja o verdadeiro órgão da vontade nacional e, como tal, estabeleça as directrizes a que se terá de subordinar a vida do Estado e da Nação. No entanto é indispensável estabelecer bem claramente, na futura constituição, as funções do Poder Executivo e que este se rodeie de todas as condições de prestígio e força, para que possa exercer uma acção profícua e que não tenha de viver sempre em constante dependência do Poder Legislativo. Sou partidário da dissolução parlamentar, como meio de obviar aos desmandos do Poder Legislativo, é claro que, durante o período em que o Parlamento estiver dissolvido, o poder executivo deve ficar autorizado a legislar, mediante certas condições.»

« - Julgo necessário, ao bem do País e ao seu prestígio internacional, fazer-se a transição do regime ditatorial, para o regime constitucional, por meio de eleições livres, onde o direito de voto esteja completamente assegurado e a liberdade de votar completamente garantida. O Governo que presidir ao acto eleitoral deve dar as maiores garantias de imparcialidade e de isenção política. A Nação é senhora dos seus destinos e o Parlamento eleito a expressão legítima da sua vontade. As eleições devem ser feitas respeitando-se as liberdades públicas e mantendo-se a ordem. Entendamo-nos, porém, liberdade não pode ser considerada sinónimo de fraqueza, como também a ordem não deve ser sinónimo de reacção ou violência.»

« - A lei (das) incompatibilidades precisa de ser revista. Outra lei carece de ser remodelada com espírito liberal: é a Lei de Imprensa. É justo que quem cometa delitos sofra a sanção penal, mas é injusto sujeitar aqueles que exercem honestamente a profissão do jornalismo a regimes de excepção. Devem poder realizar amplamente a sua missão em absoluta igualdade de direitos com os indíviduos que exercem outras profissões liberais.»

«Para terminar, é necessário acentuar bem, a meu ver, que todos os republicanos de boa fé que amam a sua terra e a não querem ver manchada mais uma vez por criminosas lutas fratricidas, se unam conjugando os seus esforços para se regressar ao regime constitucional sem sobressaltos nem comoções que viriam inutilizar os enormes sacrifícios exigidos ao povo português em nome da salvação nacional, nestes últimos anos.»

24 setembro 2021

MANIFESTOS EM DEFESA DE UM JORNALISMO QUE NÃO PRECISA DE DEFESA

Há duas passagens neste manifesto em defesa do jornalismo, publicado hoje no Público e escrito pelo seu director, Manuel Carvalho, que me merecem um comentário. O primeiro comentário é para registar a descoberta que Manuel Carvalho compartilha comigo a opinião que Paulo de Morais é uma daqueles comentadores que tem vindo a manter uma ressonância mediática despropositada para a consequência do seu discurso anti-corrupção («...a descrever o país como um pântano de corrupção sem nunca ter divulgado um só caso em concreto.»). O que lhe ficará mal (a Carvalho) é só agora o confessar, nas circunstâncias em que o faz, assumidamente por o descobrir (a Morais) como um subscritor de um manifesto que contesta o jornal que dirige. Abaixo, voltaremos ao assunto. O outro comentário será a respeito da evocação que faz à condição de «único jornal do país com um provedor do Leitor e um Conselho de Leitores (desactivado desde o início da pandemia)», quando eu, ainda muito recentemente tive oportunidade de experimentar, em primeira mão e na prática, o provedor do Leitor. E porque não fiquei fã, também gostaria de elaborar sobre algumas causas pelas quais acho que Manuel Carvalho não tem nada que se orgulhar.
Mas comecemos pela figura algo caricatural de Paulo de Morais que, na sua postura rígida, me parece um boneco da playmobil, penteado e tudo, e que, apesar disso, se tornou numa figura que os circuitos mediáticos acarinham na sua mecanicidade monotemática e repetitiva - corrupção, corrupção! E que, como acima o expõe Manuel Carvalho, nunca consubstanciou as acusações que distribuía com casos em concreto. Foi a votos nas presidenciais de 2016 (o que é muito mais daquilo que se pode dizer de Manuel Carvalho e de tantos outros jornalistas de opiniões vincadas). Recebeu 100 mil votos. Dá para comparar: foram menos votos do que Tino de Rãs, mas mais do que Pedro Santana Lopes (que ainda continua na carreira, apesar dos maus resultados acumulados). Foi uma justa medida do que Paulo de Morais valia e, se calhar, não teria valido a pena Manuel Carvalho bater agora mais no ceguinho. Quanto ao orgulho ostentado pela existência de um provedor do Leitor do Público, este Verão publiquei dois postes a respeito dele: um deles em que era o provedor do Leitor a queixar-se de que o próprio Manuel Carvalho o ignorava: andava há meses para lhe dar uma resposta prometida, e ainda a não deu; o outro era eu que me queixava, já que o próprio provedor do Leitor me tratava como o director do jornal o tratava a ele, esquecendo-se de responder, conforme prometera. Assim, sobre "provedor do Leitor", estes dois episódios parecem-me esclarecedores sobre o que a função representará no jornal... Porém, se eu quiser chamar a atenção para o facto de o Conselho de Leitores não funcionar («desactivado»...) há mais de ano e meio, isso seria a estocada final nas concepções líricas que Manuel Carvalho nos quer fazer crer que existem entre nas relações entre o jornal que dirige e alguns dos seus leitores.
Para estes casos em que não tenho qualquer simpatia por qualquer das partes (recordemo-las: o jornal Público e Raquel Varela), lembro-me da série Yes, Prime-Minister, e da neutralidade de Sir Bernard Woolley quando numa cena é posto perante a opção impossível de ter de escolher entre os seus dois chefes, o político (o primeiro-ministro James Hacker) e o administrativo (Sir Humphrey Appleby): «- Eu acho que qualquer dos dois sai muito bem na televisão!» Aqui, também acho que qualquer das partes sai muito mal disto tudo. Aliás, e ainda a propósito de Yes, Prime-Minister, convém esclarecer que a série, para além de o ser para os políticos e os altos funcionários públicos, também é severamente crítica para com os jornalistas. Existe aquela famosa passagem, frequentemente citada, em que é gozado o leitor-tipo de cada jornal da imprensa britânica da época (Who reads the papers?). Porém, o que costuma ser frequentemente esquecido é que o trecho começa com a observação de Appleby que «a única maneira de compreender a Imprensa é apercebermo-nos o quanto ela contemporiza com as coscuvilhices e os preconceitos dos seus leitores» (acima - The only way to understand the Press is to remember that they pander to their readers' prejudices.) Numa outra passagem é Jim Hacker que pergunta a um editor porque é que ele publicara «tais calúnias obscenas». «- Porque nos fez vender 100.000 exemplares a mais» - foi a resposta. Ao contrário do que Manuel Carvalho nos pretende convencer mais acima, estes assuntos não são para verdadeiros pregadores de moral.

A IMPORTÂNCIA DA ABUNDÂNCIA DO CHICHARRO

24 de Setembro de 1946. Nunca é demais enfatizar o quanto era importante há setenta e cinco anos tudo aquilo que se comia, ou melhor, que era possível comer. Terminara a Segunda Guerra Mundial, mas os níveis de produção e os circuitos comerciais estavam muito longe de ter regressado à normalidade. E um país que era tradicionalmente deficitário do ponto de vista alimentar, como era o caso de Portugal, continuava a ressentir-se disso. A conversa dedicada nas páginas centrais era, nesse dia, sobre peixe: chicharro, que aparecera em abundância. Havia mais tópicos: azeite, figos, uvas, alfarroba, a carne que não chegava aos talhos e os comerciantes processados por se dedicarem ao mercado negro. Mas, aquilo que interessaria e, se me permitirem o anacronismo da comparação, aquilo que o António Costa propagandearia se se tivesse visto naquelas circunstâncias, era que havia chicharro com fartura para todos!...

23 setembro 2021

«A LONGO PRAZO, ESTAREMOS TODOS MORTOS»

A partir das eleições deste fim de semana na Alemanha, e com três anos e meio de atraso, João Marques de Almeida passa finalmente a ter razão. Angela Merkel sai de cena. O que comprova que, mesmo perante os maiores erros de previsão, é sempre passível argumentar que se acertou: «a longo prazo, estaremos todos mortos», escreveu Keynes. Assim, pensando a longo prazo, seria garantido que Angela Merkel não se iria perpetuar no poder na Alemanha para sempre. Agora, se falo deste assunto, e de João Marques de Almeida ser um imbecil, apesar de se passear por aí aconchegado pela imprensa conivente de direita (abaixo), é para chamar a atenção para que não aconteça com ele no futuro o fenómeno que acabou agora de acontecer com Raquel Varela e a imprensa conivente da esquerda (Público). Vamos a ver se, por um qualquer motivo pueril*, ainda se zangam as comadres (João Marques de Almeida e o Observador) e só então é que é socialmente reconhecido que João Marques de Almeida se farta de dizer asneiras... Ora isso já hoje é óbvio no «influencer da direita», para recuperar a expressão abaixo da jornalista Rita Dinis.
* Recorde-se que a "tragédia" que estivera por detrás da suposta "ruptura" entre o Público e Raquel Ventura, a tal ruptura que terá provocado a alegada "retaliação", fora a assinatura pela segunda de um protesto a respeito da publicação de um artigo "despublicado" no primeiro. Ora acontece que o autor desse referido artigo "censurado", continua a assinar artigos naquele mesmo jornal, não se terá mostrado incomodado com a censura de que foi alvo.

O MEU PRIMEIRO CONTACTO COM A VIDA INTELIGENTE NO UNIVERSO

23 de Setembro de 1971. A notícia da página 15 do Diário de Lisboa dava conta de uma conferência entre norte-americanos e soviéticos onde se discutira a existência de civilizações extra-terrestres. E como seria possível comunicar com elas. Radioastronomia era uma palavra nova para mim. E, por uma vez, o assunto das civilizações extra-terrestres não aparecia misturado com a - na altura - indispensável conversa sobre os discos voadores, que nos últimos 25 anos haviam aparecido em todo o lado e que era então o tópico que verdadeiramente cativava leitores. O nome predominante no artigo era o do então desconhecido Carl Sagan. Mal eu imaginava a notoriedade que ele viria a alcançar dali por uma década com a apresentação da série televisiva Cosmos. depois transformada também em livro.
Só já nessa altura (da fama de Sagan), é que vim a descobrir que, da cooperação entre as duas partes - e recorde-se que se estava em plena Guerra Fria e era muito raro cientistas dos dois blocos cooperarem entre si - se produzira mesmo um livro co-assinado por Carl Sagan e pelo astrofísico soviético Iosif Chklovski - A Vida Inteligente no Universo. Traduzido para português pela Europa-América, foi um livro que comprei (1.450$00) e li com um interesse progressivamente cada vez mais desapontado: fora publicado originalmente em 1966 e os mais de quinze anos entretanto decorridos tornavam-no obsoleto. Com ele aprendi alguma coisa sobre a vida inteligente no universo, mas de toda essa vida inteligente retive sobretudo a vida inteligente dos editores que se aproveitam dos surtos de popularidade dos autores (Sagan) para impingirem tudo o que ele tenha escrito...

22 setembro 2021

COMPARAR, RELEMBRANDO

Joe Biden proferiu o seu primeiro discurso como presidente na assembleia geral da ONU. E, pelos vistos, e a atender ao vídeo acima, a gaffe mais embaraçosa que os seus oponentes políticos domésticos lhe descobriram - o elefante da legenda denuncia a origem republicana do comentário - foi o facto de ter trocado as Nações Unidas com os Estados Unidos numa das passagens do seu discurso. Pode querer fazer-se o estardalhaço mediático que se quiser com o caso, mas como é que isto pode ser comparado com o famoso discurso do seu antecessor Donald Trump de há três anos, que deixou a audiência dessa mesma assembleia a rir-se, tal o despropósito dos auto-elogios?... Convém, em primeiro lugar, colocar estes discursos na devida perspectiva: normalmente, ninguém se lembra do conteúdo dos discursos (veja-se o que aconteceu ao de Donald Trump o ano passado)... a não ser que na ocasião se transformem numa paródia ligeira, como aconteceu em Setembro de 2018 com Trump. 
Vale a pena evocar os dois episódios em conjunto, quando, por cá, há uma galeria de comentadores à direita que passaram cerca de quatro anos e meio a evitar referirem-se directamente às acções e afirmações do presidente dos Estados Unidos. Criticavam quem criticava Donald Trump, mas raramente o defenderam directamente, já que uma apreciável quantidade daquilo que ele fazia e dizia parecia completamente indefensável. Assim, o expediente deles foi, durante muito tempo, falar de tudo aquilo que rodeava a Casa Branca excepto da conduta do seu titular. Mas progressivamente, já que estas inflexões se fazem subtilmente e Joe Biden já ocupa o cargo há oito meses, toda aquela galeria de comentadores que não teve nada a dizer da conduta do presidente dos Estados Unidos entre Janeiro de 2017 e Janeiro de 2021, está a redescobrir gradual e milagrosamente os lapsos das políticas da administração norte-americana e as consequências disso em termos de popularidade doméstica.

UMA IMAGEM PODE SER TÃO OU MAIS IMPORTANTE DO QUE UMA FILOSOFIA

22 de Setembro de 1921. O Diário de Lisboa dedica as partes nobres de quase toda uma página na promoção da figura de Mohandas K. Gandhi (1869-1948) - a quem trata já por Mahatma (grande alma). Por coincidência, esse é o dia em que, segundo os seus biógrafos, Gandhi terá decidido despojar-se das roupas ocidentais que envergava normalmente, e passar a vestir-se com roupas tradicionais indianas. Apesar de Gandhi ter então já (quase) 52 anos, e de normalmente se vestir como a fotografia acima mostra, agora raramente se encontram fotografias suas em que ele apareça vestido normalmente. A sua imagem tornou-se indissociável das roupas brancas que, tanto ou mais do que a sua filosofia da não violência (o Diário de Lisboa qualifica-a mesmo de tolstoiana), se tornaram na verdadeira imagem de marca gandhiana nos 26 anos e meio que se seguiram.

21 setembro 2021

OS ANTIPÁTICOS

Do lado esquerdo temos uma notícia, publicada a cinco dias das eleições autárquicas, avaliando as possibilidades de resultados nessas eleições do maior partido da oposição, o PSD. A figura da notícia é evidentemente, o líder do partido, Rui Rio. E suscitou até agora 5 comentários. Para comparar, temos uma outra notícia, essa aborda a sanção a uma investigadora, Raquel Varela, que aparece muito na televisão, e que terá perdido uma bolsa por se ter descoberto que o currículo que apresenta a esses concursos está martelado. Esta outra notícia recebeu até agora 141 comentários. Parece-me instrutivo. Não apenas do tema de conversa que interessará as pessoas comentar. É que Rui Rio e Raquel Varela fazem ambos parte daquilo que poderemos designar em estatuto mediático do clube dos antipáticos. Mas a diferença aqui parece-me estar no que está por detrás do estilo: haverá muitas críticas a apontar a Rui Rio, mas são de estilo (há quem diga que ele ficou nos anos 90) e não substantivas; pelo contrário, Raquel Varela, aquilo é tudo atitude, sem qualquer consistência, veja-se o que, já de há anos, eu tenho vindo a comentar a respeito de como fundamenta o que opina - (1) (2) (3) (4). Não é apenas a antipatia de Raquel Varela que suscita tais anticorpos.

Adenda: Uma das facções das redes sociais transferiu a discussão do episódio do CV criativo de Raquel Varela para o facto da notícia dada pelo Público ser uma retaliação contra uma iniciativa da visada. Sim, é possível que seja verdade, mas uma coisa não anula a outra. As baixas intenções do denunciante não invalidam a verdade da denúncia. Tornou-se célebre a transição do Público, que só começou a criticar José Sócrates a partir do momento em que este último começou a bloquear os esforços de Belmiro de Azevedo para efectuar uma rocambolesca OPA sobre a PT, e isso não obsta a que socialmente se tenha que reconhecer actualmente que José Sócrates é um refinadíssimo escroque, mau grado as dificuldades demonstradas pelo MP de o conseguir vir a provar em tribunal. Com Raquel Varela não se chega a esse extremo criminal, mas, como acima pretendo demonstrar, de há muito se percebia que a senhora era um bluff do nosso firmamento mediático, aconchegada por aquela indulgência bem portuguesa para com a mediocridade científica. Abundavam os indícios. Que seja preciso que alguns factos - episódios que já deviam ser conhecidos de há tempos nos meios académicos - sejam publicados num jornal para que haja uma consciência mais alargada do estilo trapalhão da historiadora diz-nos muito mais sobre as nossas insuficiências do que sobre as intenções inconfessáveis dos jornalistas. Estas últimas são como o sonho da Pedra Filosofal de António Gedeão: uma constante da vida.

A CHEGADA A LISBOA DO PAQUETE INFANTE DOM HENRIQUE

21 de Setembro de 1961. A notícia, publicada naquele dia pelo Diário de Lisboa, explica-se por si e dá uma excelente ideia da importância que o regime dava ao acontecimento. As duas fotografias foram acrescentadas por mim, retiradas do livro Paquetes Portugueses.

AS EXPLOSÕES DAS DUAS FÁBRICAS DE ADUBOS

21 de Setembro. O mesmo dia assinala duas enormes explosões ocorridas em fábricas de adubos. A mais antiga (e mais potente), cuja cratera se pode ver na fotografia da esquerda acima, ocorreu numa fábrica da BASF em Oppau (Alemanha) em 1921. Causou mais de 560 mortos. Precisamente 80 anos depois (2001), numa fábrica da AZF situada em Toulouse (França), ocorreu uma explosão semelhante à anterior, embora envolvendo quantidades muito inferiores de nitrato de amónia, o que se traduziu num número de vítimas felizmente muito menor: apenas cerca de 30 mortos. Descontando a coincidência e consultando uma lista, percebe-se que os acidentes deste género, provocados pela concentração de compostos para o fabrico de adubos, ocorrem com uma frequência surpreendente, o último dos quais foi aquele que aconteceu há pouco mais de um ano no porto de Beirute (220 mortos).

20 setembro 2021

A ADVERTÊNCIA AMERICANA AOS PARCEIROS EUROPEUS DA NATO

20 de Setembro de 1951. Na reunião da NATO que estava a decorrer em Ottawa, capital do Canadá, o representante norte-americano advertia os parceiros europeus quanto ao «emprego mais eficiente e mais útil dos fundos disponíveis» para o seu rearmamento. Pela continuação da leitura da notícia percebe-se, pela reacção do seu ministro dos Negócios Estrangeiros, que o país mais visado com a advertência era a França, então engajada na guerra da Indochina. Convém lembrar estes episódios para não deixar pairar a impressão que a relação entre os Estados Unidos e os seus aliados europeus só se começou a deteriorar mais recentemente. O que acontecia era que a relação de poderes entre os Estados Unidos e os restantes membros da NATO era então completamente outra, os primeiros muito mais proeminentes do que na actualidade. Há 70 anos seria completamente impensável que Paris mandasse chamar o seu embaixador em Washington, enquanto prometia armar sarilhos na coesão da NATO, como hoje acontece a pretexto da intromissão americana num negócio de venda de submarinos à Austrália.

19 setembro 2021

A DESCOBERTA DE ÖTZI

19 de Setembro de 1991. Descoberta de Ötzi por um casal de excursionistas alemães, que se passeavam nas altas montanhas do Tirol, a mais de 3 mil metros de altitude, junto à fronteira entre a Itália e a Áustria. Ötzi foi o nome que veio a ser dado a um cadáver que se mumificara naturalmente e que, nas circunstâncias acima descritas, foi descoberto semi-enterrado na neve pelo casal. Inicialmente pensou-se que se tratara de um acidente bem mais recente, mas as investigações demonstraram que o cadáver havia permanecido enterrado na neve por mais de 5.000 anos, e que pertencera a um homem que vivera entre 3.400 e 3.100 a.C. Esse período é conhecido como a Idade do Cobre (Calcolítico), correspondendo aliás, a um dos apetrechos que se encontrou à volta do cadáver, um machado feito daquele metal. Mas, muito mais do que o machado, e recorrendo as mais diversas disciplinas científicas, Ötzi tem sido preciosíssimo para reconstituir e compreender em que condições viviam (e morriam, já que veio a descobrir-se que Ötzi havia morrido de um ferimento em combate) os nossos antepassados daquela época. A fotografia acima é uma reconstituição de Ötzi, incorporando tudo o que se sabe a seu respeito, que é impressionantemente muito - através do DNA, até se descobriram alguns dos seus descendentes vivendo nas regiões adjacentes às montanhas onde foi encontrado.

A ESTREIA MUNDIAL DE «O PAI TIRANO»

19 de Setembro de 1941. Estreia mundial - no cinema Eden - da obra prima da cinematografia portuguesa - O Pai Tirano. Frases de Vasco Santana nesta cena do filme como «...e ainda me aparece com a carinha na água!», «...agora arranjou uma Emília!», «Calculo. Nem come. Vai para a loja em jejum!» continuam a fazer parte do léxico do gozo cá em casa. Ou então outra cena mais adiante: «Ai que o sôr Seixas não sabe as deixas!» «Oh Inclemência! Oh martírio! Estará proventura periclitante a vida dessa criança que eu ajudei a criar?!» Mais abaixo pode apreciar-se o filme na sua totalidade, que há oitenta anos duas horas não pareciam demasiado para entretenimento em audiovisual.

18 setembro 2021

OUTRO PEQUENO EXEMPLO PESSOAL DO QUE SE PODE ESPERAR DA RELAÇÃO ENTRE OS JORNAIS «ON-LINE» E OS SEUS LEITORES (2)

Esta outra história, não edificante mas esclarecedora, do que se pode esperar da relação entre nós, leitores, e quem se relaciona connosco nos novos formatos dos jornais «on-line», começou há três semanas e o pretexto foi a notícia acima, aquilo que pareceria um disparate do ponto de vista noticioso, em que o título da notícia era completamente desmentido pelo conteúdo que se seguia. Uma vigarice noticiosa. Uma vigarice que então comentei aqui no blogue. Uma vigarice de que dei conta ao provedor do jornal onde a vigarice fora cometida. Uma notificação de que recebi a resposta abaixo: JMBF são as iniciais de José Manuel Barata-Feyo. E cá fiquei à espera da resposta que ele não deixaria de me dar...
Não considerei a crónica publicada na semana seguinte (abaixo, o princípio) como uma resposta competente à questão - concreta - que levantara (quem é que respondia por aquela merda que eles haviam publicado?). O que me foi dado ler foi um conjunto de considerações (talvez um pouco genéricas demais...) sobre a negligência da imprensa portuguesa a prestar informação internacional. Ora o ponto do que assinalara não era a negligência, era incompetência, mesmo! E só muito marginalmente me senti abrangido pelo que era a síntese da nossa opinião. E fiquei a aguardar. Publicadas duas crónicas posteriores do mesmo provedor, descontada a hipótese de uma resposta privada por e-mail e consideradas as dinâmicas que estes processos possuem, parece-me que a espera terá sido em vão. Não vamos regressar à contagem do número dos filhos de Robert Kennedy que absolvem o assassino do pai...    
O assunto que eu levantara em concreto - a incompetência de quem redigiu aquela notícia - terá morrido há semanas, mas permitam-me um último parágrafo em que, por retribuição, seja agora eu a filosofar umas generalidades sobre a tarefa ingrata da função que José Manuel Barata-Feyo desempenha no Público. Uma tarefa tanto mais ingrata quanto, muitas vezes, são os próprios operacionais do jornal a ignorá-lo nas suas advertências, como será o caso de uma análise prometida há oito meses pelo director Manuel Carvalho sobre o facto da publicação manter políticos no activo como colunistas regulares. Se bem percebi o que José Manuel Barata-Feyo escreveu, ele não gosta de ser ignorado e ficar pendurado de uma resposta que não vem. E, olhe, eu também não gosto que ele me faça o mesmo a mim... Nota: sou assinante e leitor regular do Público. Outra nota: Depois de lhe ter enviado este poste, recebi uma resposta de José Manuel Barata-Feyo. Contudo, como se costuma dizer nestas ocasiões, por mim já se tinha fechado o expediente... 

O «INCIDENTE» DO SUBMARINO NORTE COREANO DE GANGNEUNG

18 de Setembro de 1996. Começa o «incidente» do submarino norte-coreano encalhado na costa de Gangneung, na Coreia do Sul. Na verdade, a operação começara quatro dias antes, uma missão de espionagem da Coreia do Norte ao seu vizinho, um submarino com uma tripulação de 21 membros e ainda 5 membros da verdadeira equipa de reconhecimento, espionagem e sabotagem, dos quais 3 haviam sido largados discretamente numa praia sul-coreana no dia 15. Foi ao recolhê-los, no dia 17, que as coisas se precipitaram, quando o pequeno e discreto submarino da classe Sang-O, devido a erros de navegação, encalhou... Encalhou e não se conseguiu desencalhar como se percebe pela fotografia acima. E, como acontecera 15 anos antes com um submarino soviético na Suécia, lá irrompeu a «barracada» de uma missão secreta que as circunstâncias tornaram embaraçosamente muito pouco secreta! A acrescer ao que acontecera entre suecos e russos, o «incidente» foi muito mais sangrento porque se tratava da rivalidade entre as duas Coreias. O primeiro aspecto bizarro, a acreditar na versão que as organizações coreanas de segurança mais tarde puseram a correr, é que terão sido os próprios membros da expedição clandestina a liquidar 11 dos membros que a compunham (de um total de 26). Os restantes procuraram alcançar por terra a fronteira com a Coreia do Norte. Para os capturar, seguiu-se uma ampla perseguição aos foragidos, que contou com a colaboração activa da população. No computo global, apenas um dos membros terá conseguido regressar, ainda que ferido, à Coreia do Norte. Outro foi capturado. Os restantes (13) foram todos mortos porque invariavelmente resistiram à captura. O processo também custou 16 mortos aos sul coreanos: 8 soldados em combate, 4 em acidentes associados às buscas, e ainda 4 civis assassinados pelos norte coreanos em fuga. Para «incidente», é um «incidente»!

17 setembro 2021

CAMPANHA AUTÁRQUICA OEIRAS 2021

Como não tenho qualquer pretensão que, quem me esteja a ler (e vote em Oeiras) siga a minha eventual sugestão em quem votar nas próximas eleições autárquicas, espero que ao menos, acolha a minha sugestão sobre em quem não votar... Em política deve haver juízos morais, ao contrário de outras opiniões que se lêem por aí. Em complemento, alguém que parece pensar como eu, mas com muito mais piada:

16 setembro 2021

NOTÍCIA PREMONITÓRIA

16 de Setembro de 1961. Esta notícia oriunda do Congo dá conta da dificuldade do secretário-geral da ONU, o sueco Dag Hamarskjöld, em se deslocar num avião da sua organização. As autoridades africanas locais não podiam «garantir» a sua «segurança», lia-se mais adiante. Dois dias depois, esse mesmo avião ir-se-á despenhar com o secretário-geral da ONU a bordo. Morrerão também as 15 pessoas que com ele seguiam. Nunca se conseguiu definir uma causa indisputável para a queda do aparelho.

A ABDICAÇÃO DO XÁ

16 de Setembro de 1941. Depois de ter ocupado o poder durante vinte anos, com o país invadido simultaneamente por tropas britânicas e soviéticas por causa do comportamento equívoco face à Alemanha, o Xá abdica no seu filho de 21 anos. O novo Xá irá permanecer no poder por 37 anos e meio. A notícia acima não o diz, mas, no mesmo dia, e depois de o ter feito com a Alemanha, o governo iraniano rompera relações com a Itália, a Roménia, a Hungria e a Itália - os países aliados da Alemanha no conflito em curso. No dia seguinte, tropas soviéticas entrariam em Teerão.

15 setembro 2021

OS PRIMÓRDIOS DA ORGANIZAÇÃO «GREENPEACE»

15 de Setembro de 1971. Tem início a primeira acção da organização «Greenpeace», quando o pequeno pesqueiro «Phyllis Cormack» de 12 metros e 99 toneladas, rebaptizado «Greenpeace» (acima), larga do porto canadiano de Vancouver. O propósito dessa viagem é navegar até às proximidades da ilha de Amchitka, na extremidade ocidental do arquipélago das Aleútas no Alaska (mapa abaixo), como forma de protesto contra um ensaio nuclear previsto para aí se realizar em Novembro de 1971. No final da viagem, nas proximidades da ilha, o pequeno navio irá ser impedido de prosseguir por um navio da Guarda Costeira dos Estados Unidos, mas, como quase tudo o que a «Greenpeace» promove, e que se tornará imagem de marca da organização, o que é importante é a forma como se consegue publicitar o que se faz, não propriamente os seus resultados. Claro que o ensaio nuclear se realizou. De diferente é que, nesta fase inicial, a organização ainda elegia alvos dentro dos Estados Unidos. Décadas depois a organização tornou-se conhecida precisamente por evitar desencadear acções nos Estados Unidos ou contra interesses americanos...

14 setembro 2021

A RAINHA DAS COSTUREIRAS DE LISBOA

14 de Setembro de 1931. Toda a primeira página do Diário de Lisboa é dedicada à Rainha das Costureiras de Lisboa. Dois anos depois seria Beatriz Costa a aparecer como a rainha das costureiras da Academia Recreativa Doutor Barbosa Girão, por interferência descarada do pai (António Silva). O proteccionismo e a perpetuação das mesmas famílias é um fenómeno antigo... Mas transposto para a classe das costureiras só na paródia.

UMA ALDRABICE A DESMENTIR OUTRA ALDRABICE

14 de Setembro de 1941. Atribui-se a Bismarck a frase de que «nunca se mente tanto quanto antes de eleições, durante uma guerra e depois de uma caçada.» E há oitenta anos estava-se em guerra. Esta notícia proveniente de Londres destinava-se a desmentir outra que viera de Berlim e que reclamara um sucesso extraordinário para os submarinos alemães, que haviam afundado 22 navios de um comboio que atravessava o Atlântico com os indispensáveis materiais para sustentar a máquina de guerra inglesa assim como a sua população (o SC-42). E Londres era peremptória: tinham sido apenas 8 navios, com os detalhes de como haviam sido afundados: 3 por torpedos (submarinos), 4 por bombas (aviões) e 1 devido ao temporal (causas naturais). Oitenta anos depois dos acontecimentos, comprova-se que mentiam ambos. E, por sinal, o maior mentiroso eram os ingleses. A começar pelo número de navios que formavam o comboio, que eram 65 e não 42 como consta da notícia. E haviam sido afundados 16 navios, o dobro do que reclamava Londres e todos afundados por submarinos (veja-se abaixo). O que Berlim não dissera é que perdera também 2 submarinos. Estas notícias publicadas durante a guerra são normalmente uma aldrabice pegada...

13 setembro 2021

UM PEQUENO EXEMPLO PESSOAL DO QUE SE PODE ESPERAR DA RELAÇÃO ENTRE OS JORNAIS «ON-LINE» E OS SEUS LEITORES (1)

Apareceu no Público de ontem um artigo de opinião de Teresa de Sousa. Contudo, a opinião de Teresa de Sousa (...) é o que menos interessa para o essencial desta história. O que interessa é que no penúltimo parágrafo dessa opinião aparece uma passagem que é mentira. «Nas cerimónias do 11 de Setembro em Nova Iorque, Washington e Pensilvânia estiveram presentes quatro Presidentes: Biden, Obama, Bush e Clinton. Lado a lado.» Como se percebe pelas notícias locais, no caso da CBS, (notícia e foto no canto inferior direito) George W. Bush não se associou aos restantes, não esteve lado a lado. Há razões de ordem política local, para que um antigo presidente republicano não faça bloco com os ex-presidentes democratas. Embora possa perceber a intenção de Teresa de Sousa de realçar o grunho que é Donald Trump (o presidente que não estaria presente lado a lado...), não é justo atropelar a verdade para acentuar a diferença que vai de Trump para com os outros presidentes normais. E foi por isso que utilizei a faculdade que o Público concede aos seus leitores de Sugerir correcção. Sugeri. Não é daquelas iniciativas que deixe registos para mostrar depois, mas foi feito, acompanhado de artigo e foto comprovativa (os que aparecem). O erro de Teresa de Sousa é apenas pontual, não interferiria nas suas opiniões, mas também era factual, como se comprovava facilmente. Seria um detalhe a rectificar no final do texto. Pois bem, transcorrido um dia completo, o jornal Público e a autora Teresa de Sousa, dão-me mostras, pela ausência de reacção, que consideraram essa correcção irrelevante. Depois de 24 horas, e tratando-se de um jornal diário, qualquer rectificação torna-se irrelevante. Registo o gesto, para mais quando em comparação com as queixas tradicionais que os jornais levantam quando a respeito da grosseria de quem os comenta: «Minha "senhora": vamos lá a deixar a propaganda e escrever qualquer coisa de jeito» ou então «Um chorrilho de copy/paste de lugares comuns» são dois exemplos que recolhi acima entre as reacções ao que Teresa de Sousa escreveu. A retribuição por parte dos jornais é menos expressiva, mas não deixa de ser igualmente desagradável: uma sobranceria que não acolhe, não agradece, não regista sequer, os contributos rectificativos que (só) aparentemente solicita. Numa guerra destas, concluo que não vale a pena ser razoável e tentar aplacar as hostilidades: jornais e comentadores estão muito bem uns para os outros. Os jornais merecem os comentários insultuosos que recebem nas caixas, porque, como aqui se comprova, é só isso que eles podem atrair e, se calhar, é mesmo para isso que as caixas (de comentários) lá estão.

O QUE É QUE ACONTECEU A LIN PIAO(*)?

(Recuperação de um texto publicado neste blogue originalmente em 23 de Fevereiro de 2009, agora reposto a pretexto do 50º aniversário da morte de Lin Piao nas circunstâncias que abaixo se descrevem)
Esta era a grande pergunta que se colocava a respeito da China no último trimestre de 1971. Não que a pergunta fosse para se interpretar literalmente, visto que se sabia que Lin Biao morrera quando o avião onde viajava se despenhara sobre a Mongólia a 13 de Setembro de 1971, mas o que intrigava os sinólogos eram as circunstâncias que haviam conduzido a que a segunda personalidade da hierarquia chinesa, o herdeiro designado de Mao, tivesse tido aquele fim. De concreto havia apenas a propaganda oficial que, com a desfaçatez do costume, fizera uma inflexão de 180º quantos aos atributos do defunto.
Ao longo da sua longa carreira política Mao Zedong teve vários homens de confiança entre os militares como Zhu De (acima, com Mao) ou Peng Dehuai. Foram usados e descartados quando Mao considerou que o seu prestígio os podia tornar ameaçadores para si, mas as bases em que assentava a estrutura do poder supremo da República Popular da China não dispensava que houvesse sempre alguém da sua confiança a tutelar o Exército de Libertação Popular. Na década de 60 esse alguém era Lin Biao que, apesar da sua juventude (1907-71), também era um veterano respeitado da Longa Marcha. Costuma atribuir-se a Lin Biao e ao Exército de Libertação Popular (acima) a ideia da criação do Livro Vermelho com as citações do presidente Mao Zedong que, quando brandidos pelos Guardas Vermelhos (abaixo), se tornaram no ex-libris da Revolução Cultural que abalou a China durante a segunda metade da década de 60. É uma fase da história da China repleta tanto de tragédias como de episódios cómicos pelos excessos: os revolucionários até propuseram que as cores dos semáforos fossem alteradas; o vermelho, como cor revolucionária, devia passar a ser a cor com que se avançava… Num plano mais concreto da disputa pelo poder, no IX Congresso do Partido Comunista Chinês (PCC) que se realizou em Abril de 1969 assistiu-se à consagração de Lin Biao, que saiu do evento como Vice-Presidente do Partido, num destacado segundo lugar imediatamente a seguir a Mao Zedong e como seu herdeiro designado. Para mais, a importância do Exército de Libertação Popular reafirmara-se havia bem pouco (em Março de 1969), a pretexto de um incidente fronteiriço em que unidades suas se haviam envolvido em combates sérios com as unidades soviéticas do Exército Vermelho. Mas o afastamento em Agosto de 1970 de Chen Boda, que havia sido até então um dos cinco membros do exclusivíssimo Comité Permanente do Politburo do PCC que havia sido eleito no Congresso do ano anterior (**), também mostrou quem detinha realmente o poder na China (Mao Zedong) e como a segurança de ocupar cargos do topo da hierarquia podia ser muito fluida… Mesmo assim, porque a luta política no seio do topo da hierarquia chinesa é sempre travada em surdina, foi com surpresa que se veio a saber em Setembro de 1971 que Lin Biao morrera num desastre de avião.
O local do desastre, Öndörkhaan na Mongólia, não deixa dúvidas quanto às intenções de Lin Biao: a de fugir da China (veja-se abaixo, a trajectória provável do voo). Provavelmente escolheu fazê-lo para a União Soviética. Agora quais as circunstâncias que o levaram a tomar tal decisão ainda hoje, passados 37 anos, se encontram enredadas na falta de sustentação da versão que foi posta a correr a esse respeito. A priori, Lin Biao parecia temer pela vida, o que pressupõe que o poderiam acusar de faltas graves: muitos outros altos responsáveis chineses haviam sido afastados sem serem executados…
Faz assim algum sentido a acusação que a propaganda chinesa pôs de imediato a correr: que Lin Biao ensaiara realizar um golpe de estado contra Mao – e fracassara… Mas, se acreditarmos nessa versão, isso também nos diria muito sobre a temeridade de Lin Biao: a ousadia de afastar Mao através de um pronunciamento militar depois dos anos consecutivos de uma propaganda descomunal a endeusá-lo junto das massas chinesas dá que pensar… Sobre a questão das causas para o avião da fuga ter caído (um Hawker Siddeley Trident, igual ao da fotografia abaixo), também existe uma versão conveniente…
Nessa versão, na precipitação da fuga o avião fora deficientemente abastecido de combustível e acabara por se despenhar em pleno deserto da Mongólia por falta de carburante. É possível, é pouco provável, mas é sobretudo uma versão muito conveniente, que afastaria de uma penada as suspeitas que o avião tivesse sido abatido quer pela Força Aérea chinesa (em pleno espaço aéreo da Mongólia…) quer por interceptores da Mongólia ou da União Soviética, que estivessem a reagir a um intruso que penetrara ou se preparava para penetrar no seu espaço aéreo, algo que depois veio mesmo a acontecer...
Mas, mais provavelmente, mongóis e soviéticos (que foram quem encontraram os destroços e recolheram os cadáveres) devem estar inocentes: este foi um daqueles casos em que o fim da Guerra-Fria mostrou que eles nada havia a esconder. Em contrapartida, o segredo permanece do lado chinês e a versão de Zhou Enlai, que Mao, quando perguntado durante a fuga de Lin sobre o que queria que se fizesse, terá respondido com um provérbio recomendando que nada (O Céu quer chover, a viúva quer tornar-se a casar, não os incomodemos), combina muito mal com a personalidade de Mao que as suas biografias têm revelado…
O episódio já foi incorporado entre os mitos da China moderna. Uma visita guiada à interessante cidade de Hangzhou pode incluir a visita à antiga residência de Lin Biao, descrita como o centro da enorme conspiração desmantelada em Setembro de 1971. Mas ainda restam três perguntas por responder: Como é que um político experiente como Lin Biao pôde imaginar que um simples golpe militar conseguiria derrubar Mao? Porque terá escolhido a União Soviética para se exilar quando haveria outras opções melhores como a Formosa? Em que circunstâncias precisas é que se despenhou o avião onde viajava?

(*) Excepcionalmente, para respeitar a prática da época (1971) utilizou-se o sistema de transliteração de nomes chineses que era então mais utilizado, o Wade-Giles. Daí o emprego do nome Lin Piao que, com o sistema pinyin actualmente mais corrente, agora se escreve Lin Biao. Também Mao Tsé-Tung se transformou em Mao Zedong, Teng Hsiao-Ping em Deng Xiaoping ou Kung Fu em Gong Fu.

(**) Além de Mao, Lin e Chen, os outros dois membros eram o primeiro-ministro Zhou Enlai e Kang Sheng.

12 setembro 2021

A MEGARREMODELAÇÃO... QUE ANTÓNIO COSTA AINDA NÃO FEZ

No domínio das previsões furadas o Observador tem um campeão: João Marques de Almeida. Foi ele que anunciou, por exemplo, em Julho de 2014 que Marcelo Rebelo de Sousa não se candidataria e que, se o fizesse, perdia as eleições. Em Outubro de 2015 assegurava que não havia maioria de esquerda para governar - antes de quatro anos de geringonça... Durante anos mantém esse estilo muito próprio de antecipar coisas que nunca aconteciam, a ponto de passar a tornar seguro que iria acontecer ao contrário do que antecipava. Se, por exemplo, João Marques de Almeida anunciava em Fevereiro de 2018 o fim de Merkel, então era porque Angela Merkel estaria para durar no cargo, pelo menos mais os três anos e meio que já decorreram depois daquela data. João Marques de Almeida tem agora uma rival no Observador na pessoa de Raquel Abecassis. Aqui há dois meses registei o seu anuncio acima da megarremodelação que o tempo entretanto decorrido transformou de feita por António Costa para feita (apenas...) por Raquel Abecassis. Eram 5 - ministros - 5 (como se anuncia nos cartazes das touradas) que seriam corridos com a intenção de «dar sinais que o governo iria procurar corrigir erros intoleráveis». Podia ser um «furo» jornalístico ou até mesmo muita presciência política. Dois meses depois já deu para perceber que não foi uma coisa nem outra. Só idiotia, e da ridícula, como já me habituara com o outro. Se calhar, também nisto tem de haver paridade de género nos jornais...

11 setembro 2021

...OUTRO 11 DE SETEMBRO NA AMÉRICA...

11 de Setembro de 1941. «The three most important groups who have been pressing this country toward war are the British, the Jewish and the Roosevelt administration.» (Os três grupos mais importantes que estão a pressionar este país - os Estados Unidos - para entrar na guerra são os britânicos, os judeus e a administração Roosevelt) Assim falava Charles Lindbergh na passagem mais sensível do seu discurso proferido em Des Moines, Iowa, há precisamente oitenta anos. Charles Lindbergh fora o aviador solitário que fizera a primeira travessia aérea sem escalas sobre o Atlântico Norte em 1927, e que circunstâncias sociais (que para mim permanecem incompreensíveis*) haviam catapultado para uma popularidade e proeminência tal, que agora ele era considerado o líder popular da facção isolacionista que, dentro dos Estados Unidos, pretendia evitar a todo o custo que o seu país se envolvesse no magno conflito em curso. A ideia do isolacionismo dos americanos tem sido uma constante na história dos Estados Unidos e oitenta anos atrás, em plena Segunda Guerra Mundial, por maioria de razão. Mas o isolacionismo não era apenas isolacionista. Repare-se pela passagem do texto acima como a versão daquela época está eivada de anti-semitismo, em sintonia com o nazismo que então alcançava o seu apogeu na Europa. Mas o que distinguia o então da actualidade, é que estas opiniões/posições fluíam independentemente dos dois grandes partidos. Como se lê/ouve acima, Lindbergh atacava no seu discurso a administração (democrata) do presidente Franklin Roosevelt, mas, por sua vez, aquele que fora o candidato (republicano) às eleições presidenciais de 1940, Wendell Willkie, atacou por sua vez o discurso de Lindberg considerando-o «...the most un-American talk made in my time by any person of national reputation.» (... a conversa mais anti-americana que me foi dado ouvir vinda da parte de uma pessoa com projecção nacional). A diferença para a actualidade radicava aí: apesar da simplicidade e da falta de estruturação das suas opiniões**, como pessoa de projecção nacional, Charles Lindbergh estava vários furos acima do Donald Trump que é um simples(estúpido); e a segunda diferença é que, mesmo com a sua diversidade opinativa, o partido republicano, colectivamente, não se enfeudava a opiniões tresmalhadas que, conjunturalmente, pareciam prometer uma oposição mais antagónica à administração da Casa Branca, mas só isso. Há oitenta anos, os Estados Unidos eram um país mais unido, apesar de, como se percebe acima, haver quem dissesse coisas tão ou mais radicais do que as que ouvimos proferidas na actualidade.

* Na realidade, e como já aqui demonstrei no Herdeiro de Aécio, o primeiro verdadeiro voo transatlântico sem escalas foi realizado por dois pilotos ingleses (John Alcock e Arthur Brown) em Junho de 1919, oito anos antes de Lindbergh.
** A página da wikipedia dedicada a Lindbergh contém parágrafos atrás de parágrafos em que ele se contradiz sobre Hitler, o nazismo, o anti-semitismo, etc. Quem se dispuser a isso, pode ir ali recolher citações que, a respeito de certos temas, defendam algo ou precisamente o seu contrário.

10 setembro 2021

O MAJOR DAS TOSSIDELAS

10 de Setembro de 2001. No concurso «Quem quer ser Milionário?» da ITV britânica, um concorrente, o major Charles Ingram de 38 anos, alcança o prémio máximo ao responder à pergunta para um milhão de libras. De concepção originalmente britânica, o concurso tornara-se um enorme sucesso de audiências: chegara a registar 19 milhões de telespectadores, aquilo que equivalia a quase ⅓ de toda a população do Reino Unido na época! Neste episódio, porém, o major Ingram, ao arrebatar o cobiçado prémio do milhão de libras, produzira um certo desconforto nas audiências atentas, pelo processo algo errático como chegara às respostas certas. A atribuição do prémio foi suspensa. Foi feita uma investigação e ao rever as imagens do programa detectou-se que o concorrente repetia todas as hipóteses em voz alta e que havia sempre alguém na plateia que tossia em cima da resposta certa! Foi um escândalo! O prémio não foi concedido. O exército expulsou o major das fileiras! E, no entanto, sem absolver estes pequenos escroques, vale a pena contrapor este escândalo com o que ocorrera na década de 1950 nos Estados Unidos, quando haviam sido as próprias televisões a falsificar os resultados dos concursos que transmitiam - objecto de um poste no Herdeiro de Aécio. Como se percebe pelos bastidores de um casino, não se encontra inocência em qualquer das partes destes concursos televisivos.

UM «CHOQUE DE DOIS CICLONES»... COM A IGNORÂNCIA DOS JORNALISTAS

10 de Setembro de 1951. Oriunda de Miami, a notícia aparecera originalmente em inglês. O problema ter-se-á colocado depois, ao jornalista que a traduzira, que, dominando o idioma, não percebia mesmo nada de meteorologia (ciência tradicionalmente oculta na redacção do jornais, a ponto de haver quem não soubesse como se escreve a própria palavra). E é assim que vemos o conteúdo da notícia totalmente traduzido, até mesmo a designação que se dera às duas tempestades tropicais, a Easy («fácil) e a Fox («raposa»), que eram a quinta e a sexta tempestades tropicais assinaladas neste ano de 1951, seguindo o costume de lhes dar um nome a começar pelas letras sequenciais do alfabeto, A, B, C, D, E, F... Era um absurdo desnecessário traduzir Easy para «fácil» e Fox para «raposa». Como tantas vezes se percebe pelos trabalhos deploráveis de tradução de livros das editoras portuguesas, tem ocasiões em que é mais importante perceber tecnicamente aquilo que se está a traduzir do que dominar a fundo o idioma.

09 setembro 2021

QUANDO 131 ANOS É APENAS MUITO TEMPO, MAS NADA DE DEFINITIVO

Imagens da inauguração (29 de Maio de 1890) e da remoção (8 de Setembro de 2021) da estátua equestre do general confederado Robert Lee em Richmond, capital da Virgínia. Há circunstâncias na História que tornam 131 anos em apenas muito tempo. Para os que esperam, em demasiado tempo.

EU JÁ TINHA PENSADO NA IDEIA, MAS É SEMPRE RECONFORTANTE VER OUTROS A PASSÁ-LA A ESCRITO

08 setembro 2021

MEU FILHO, MEU TESOURO

A motivação para este poste foi a notícia da morte, nos Estados Unidos, do antigo senador do Illinois Adlai Stevenson III. A notícia foi confirmada por seu filho, Adlai Stevenson IV. O recém falecido era filho de Adlai Stevenson II, antigo governador do mesmo estado do Illinois, por duas vezes candidato (derrotado) do partido democrata nas eleições presidenciais americanas e bisneto de Adlai Stevenson I, vice presidente dos Estados Unidos entre 1893 e 1897. Embora Adlai Stevenson V conte apenas 27 anos e ainda não tenha realizado nada que o destaque, como se percebe, a família Stevenson é um dos adereços aristocráticos do estado do Illinois. O que, por associação de ideias, me lembrou um artigo que a revista Sábado publicou há questão de umas três semanas, realçando a coincidência genética de que as pessoas mais vocacionadas para o Direito em Portugal se poderem arrumar hereditariamente da maneira que a imagem abaixo mostra. O fenómeno, qual almanaque Gotha do ensino do direito em Portugal, e que pode tão bem ser sintetizado na expressão escolhida em português para título do sucesso editorial do Dr. Benjamin Spock (meu filho, meu tesouro), já terá sido explicado analiticamente em 2014 por Thomas Piketty (as elites tendem para a endogamia), mas quando o vemos concretizado assim com pessoas (mais a respectiva prole,,,) que conhecemos de virem à televisão dizer coisas, a subversão da meritocracia torna-se mais compreensível para os comuns