10 julho 2018

A INVASÃO DA SICÍLIA

10 de Julho de 1943. Há precisamente 75 anos os Aliados desencadeavam o desembarque e a invasão da Sicília. No mapa acima, os norte-americanos são representados a azul-claro, os britânicos a roxo; do outro lado, o dispositivo italiano está representado a cor de laranja, as unidades alemãs presentes na ilha, a cor de rosa. Designada globalmente pelo nome de Husky, foi cronologicamente a segunda grande operação anfíbia da Segunda Guerra Mundial na Europa, depois dos desembarques no Norte de África (Operação Torch). Mais uma vez, como acontecera com a Operação Villain no Norte de África, quis-se reforçar a componente anfíbia do desembarque com o apoio em profundidade de unidades aerotransportadas. E, mais uma vez, apesar dos meios se terem multiplicado nesses oito meses, os resultados foram medíocres. Por causa disso, hoje não se fala praticamente do assunto, e daí a pertinência de aqui o evocar. Realizaram-se quatro operações, duas delas norte-americanas e duas britânicas. As duas primeiras têm a virtualidade de não aparecerem referidas sequer na Wikipedia, nem mesmo na página dedicada à própria 82.ª Divisão que as realizou(!). Mas, noutros locais, pode-se descobrir algum detalhe do que aconteceu, num dos casos os 144 aviões de transporte foram vítimas do fogo amigo da própria frota que apoiava o desembarque e que os confundiu com bombardeiros inimigos, abatendo 16% dos aviões que transportavam os paraquedistas. A formação das esquadrilhas desfez-se, e não terá sido por culpa dos passageiros que apenas 25% dos efectivos previstos se puderam depois encontrar sobre o objectivo. Quanto ao que aconteceu às unidades aerotransportadas britânicas, e ao contrário da evasiva americana, até existem páginas na Wikipedia que são dedicadas à Operação Fustian (envolvendo paraquedistas) e Ladbroke (com tropas lançadas em planadores). Os números relativos a esta última são eloquentes: dos 147 planadores que foram largados para atingir os objectivos no interior da Sicília, 47% foram largadas demasiado cedo e acabaram por cair no mar e apenas 8% atingiram as proximidades dos objectivos para que haviam sido destinados. Não é difícil perceber que, ao preceder-se à avaliação do desempenho das operações aerotransportadas durante a Operação Husky, se concluísse e se formasse uma facção a favor de que se deixasse de investir nelas, que se haviam revelado extremamente caras tanto em termos humanos quanto materiais, e tudo isso para a obtenção de resultados medíocres. Era a opinião do próprio Eisenhower, mas não era a opinião do seu superior, o chefe de Estado Maior George Marshall em Washington DC, que via naquelas novas formações o elemento de propaganda de tropas de elite de que qualquer exército em guerra não pode prescindir. Qual a utilidade das verdadeiras operações aerotransportadas, separar essa utilidade da existência de tropas paraquedistas como unidades de elite dos exércitos, são assuntos que ainda hoje se discutem com muito pathos e pouco logos.

Sem comentários:

Enviar um comentário