06 junho 2006

A TÉCNICA DO CANALIZADOR

Embora recentemente o de origem polaca se tenha tornado muito famoso, o canalizador é conhecido por ter uma técnica, muito antiga, designada por a técnica do canalizador. Consiste em, mal se põe a trabalhar em sua casa, e logo a seguir às primeiras desaparafusadela, vira-se para si e pergunta-lhe com um ar sério: quem é que o senhor cá chamou da última vez para arranjar isto? Bem pode murmurar qualquer coisa, justificar-se que já não se lembra, que não pode fugir à sentença, fatal: É que ele não percebia nada do que estava a fazer… Olhe lá para este lindo trabalho… E lá olhamos, contristados, com um olhar misto de resignação pelo disparate e de fingida compreensão, como se soubéssemos qual ele era. Tornou-se entretanto chique que os ministros das finanças dos países da União Europeia que andam a rebentar os défices orçamentais acima dos 3% do PEC façam uma rábula parecida com essa quando tomam posse do cargo: o antecessor deixou aquilo num péssimo estado, agora com ele é que a coisa vai ao lugar. Nós já tivemos direito a 2-espectáculos-2 desse tipo, primeiro com Barroso e depois com Sócrates, este último já com a participação especial de 1-governador-1 do Banco de Portugal. Mas não estamos sozinhos. Agora é a vez a Romano Prodi em Itália, que, recém-chegado ao governo, em vez do défice de 3,8% teórico já fala em 4,1% acautelando o valor de 4,6%. Nada nos pode consolar mais do que sabermos que não somos os únicos a ter as coisas por consertar cá em casa...

4 comentários:

  1. Pois ... continuamos sempre a nivelar por baixo.....

    ResponderEliminar
  2. Pois, temos de nos nivelar por aqueles povos com quem compartilhamos as nossas origens culturais...

    É inconsequente, para além de ridículo, ir-se buscar modelos de referência ao outro extremo da Europa.

    Além dos altos índices de leitura da Finlândia, também há que falar dos altos índices de suicídio da Finlândia...

    ResponderEliminar
  3. Conclusão, lógica e nada capciosa :
    a leitura conduz ao suicídio.

    Elementar, não, meu caro Herdeiro?

    ResponderEliminar
  4. Ña origem, o propósito não era esse, mas lido o meu comentário não há dúvida, pode ser essa a conclusão!

    A ideia, claro está, é outra.

    ResponderEliminar