13 outubro 2009

A COELHINHA PLAYBOY DE AGOSTO DE 1996 (EDIÇÃO BRASILEIRA)

Sobre a recente polémica envolvendo Maitê Proença e a sua reportagem (que afinal foi feita e transmitida há dois anos...), apenas gostaria de lembrar que a faceta mais marcante da carreira de Maitê nunca será a reportagem, nem a representação, nem a escrita, nem sequer a componente social... Onde eu acredito que ela nos vai deixar uma recordação indelével na nossa memória colectiva é como balzaquiana apetitosa, como se comprova pela magnífica capa da Playboy de há 13 anos atrás, quando ela ainda tinha 38 anos, em que nos deixa a imaginar como seriam as tais 24 páginas espetaculares, todas naturalmente com Maitê ao natural. Nisso, a natureza foi generosa com ela...
 
Adenda de 27Jun2014:
Esta cena de Porta dos Fundos, com a protagonista nitidamente mais entradota, desvenda um novo horizonte na carreira de Maitê Proença: o humor.

2 comentários:

  1. Yayá!Coelhinha! Confere com a apressada defesa que o caçador já veio fazer. Brasucas e Tugas-letrados.

    ResponderEliminar
  2. Vá lá! Ao menos a piquena foi bafejada pela sorte em alguns aspectos. Podem até ser que não sejam os mais valorizáveis mas, mesmo isso, depende do ponto de vista e o meu é curto porque não conheço a revista no seu interior...

    ResponderEliminar