20 junho 2006

DIREI MESMO MAIS… NÃO HÁ MESMO NADA PARA DIZER

Há situações mesmo propícias à demonstração que a existência de concorrência não é, só por si, condição suficiente para a melhoria da qualidade do serviço que se presta. O exemplo que tenho em mente é o do posto de correspondente de canal de TV colocado em Bruxelas. Nesse particular, a SIC e a RTP vivem num ambiente saudável de coexistência pacífica.

António Esteves Martins, pela RTP, e Fernando de Sousa, pela SIC, acabam por funcionar como uma espécie de irmãos Dupondt (não estivéssemos nós na Bélgica, terra de origem do Tintin) na forma como se prestam a servir de transmissores acríticos do que os órgãos comunitários entendem por relevante que a comunicação social transmita.

A semelhança de estilo dos dois é tal que até já cheguei a pensar que esse fosse o perfil requerido pelos Serviços de Imprensa comunitários em Bruxelas para fornecer creditações a correspondentes, até ter visto em televisões estrangeiras repórteres atirarem perguntas aos seus ministros à entrada ou à saída de conselhos nada conformes ao espírito concordante que domina nas televisões portuguesas.

Desnecessário dizer que não sou um fã particularmente interessado e atento dos despachos enviados de Bruxelas por aqueles dois correspondentes. Se deles me lembrei foi a propósito do artigo de Teresa de Sousa no Público de terça-feira, dia 20 (p.6), com o título: “A Europa dos projectos? Quais projectos?

Para além da desilusão contida no artigo (que se depreende logo do título), lembrei-me de não me recordar de ter visto, como seria costume, os nossos dois correspondentes a transmitirem-nos canonicamente aquilo que os serviços de imprensa queriam que nós acreditássemos sobre o que se havia passado durante a recente Cimeira Europeia.

À priori, poderia ter sido o Mundial de futebol a abafar os interessantes comunicados da praxe. Ao ler o texto de Teresa de Sousa mudei de opinião: a Cimeira deve ter sido tão chocha e tão sem falta de assunto, que nem sobrou assunto para que, mesmo com o correspondente mais conformista e cordato, se conseguisse produzir uma reportagem de jeito...

1 comentário:

  1. Se os trocássemos pelo Gabriel Alves ninguém se aperceberia.
    E seria mais divertido...

    ResponderEliminar