06 setembro 2015

TV NOSTALGIA – 81 (Capitão Kloss, a série de que até o Mário Castrim dizia gostar)


Capitão Kloss era uma série polaca que foi estreada na televisão portuguesa em 29 de Julho de 1975. A acção decorria durante a Segunda Guerra Mundial. O protagonista era um agente duplo, patriota polaco, que se fazia passar por oficial alemão dos serviços de informações. E toda a acção decorria de acordo com os cânones marxistas-leninistas do regime polaco de então: até a música da introdução era dialéctica, com um ritmo e uma orquestração para a acção e outro para o romance. Melhor que isso, só mesmo a bênção comentada de Mário Castrim.
Mário Castrim (que, ao contrário da TV, não me desperta nostalgia nenhuma) era um cronista de televisão notável por raramente falar de televisão. E nas poucas vezes que o fazia, dizia sempre mal. O que torna a crónica acima, do Diário de Lisboa de 30 de Julho de 1975, no dia seguinte à estreia, preciosa pela sua raridade. Só lhe foi preciso ver um episódio de Capitão Kloss para perceber que ali estava uma série excelente, uma solicitação à inteligência do espectador. Porque a do cronista ficara hipotecada às circunstâncias das suas simpatias ideológicas...

2 comentários:

  1. Não costumo discordar radicalmente neste blog mas com este postal nada concordo: o capitão Kloss, ainda que não atingindo o patamar do major Alvega, é das boas recordações que tenho e lamento que seja assim agredido ...

    ResponderEliminar
  2. JPT, eu adoro discordar de si, como sabe. Mas estou com uma certa dificuldade em concretizar essa discordância a propósito do que escrevi e do que comentou. Eu não recordo a série e o herói como espectaculares - preferia, da mesma origem, Os 4 do blindado e o seu cão - mas considero-me muito longe de os ter agredido - à série e ao herói.

    A agredir, agrido certamente Mário Castrim, por um deslumbramento acrítico para com toda a produção televisiva que vinha daquelas bandas: viu o primeiro episódio (leia a crítica que ele faz, clique em cima da página, veja a fundamentação) e um cronista conhecido por descompor quase tudo o que aparecia na pantalha rendeu-se incondicionalmente à qualidade da nova série - nem precisou de esperar pelo episódio da semana seguinte...

    Tendo agredido (nas suas palavras) um e não outro, creio contudo que o Mário Castrim não se confunde com o Capitão Kloss.

    ResponderEliminar