01 maio 2017

...SOLDADOS E MARINHEIROS...

Mário Soares nunca ficou a dever nada ao rigor. Ouvi-lo anos mais tarde a descrever os primeiros dias após o 25 de Abril, nomeadamente a rigidez como os comunistas se apegavam à simbologia do leninismo era um desafio aos factos e às fotos, mas não à essência das suas críticas a um comportamento que, 57 anos depois do original que procurava mimetizar, se tornara ridículo. Para Soares, os momentos lenínicos de Cunhal compactavam-se na sua chegada apoteótica ao aeroporto de Lisboa, onde o faziam subir para um carro blindado abraçar-se a um soldado e a um marinheiro para discursar às massas. Com rigor (que nunca incomodou Soares...), importa esclarecer que se tratou de dois momentos distintos, embora em dias encadeados. Álvaro Cunhal chegou a Portugal a 30 de Abril de 1974 e discursou em cima do blindado logo à saída do aeroporto (ao jeito de Lenine), mas o abraço conjunto ao soldado e ao marinheiro para as câmaras só veio a ter lugar no dia seguinte, 1º de Maio de 1974 - completam-se hoje 43 anos (acima). Mas o que os esforços do PCP da época têm de cómico não é apenas o meia bola e força da tal evocação sintética de Soares. É também o zelo formal dos discípulos de Cunhal no método científico que eles usam para refutar Soares, concentrando-se no detalhe e na forma (Cunhal não abraçou o soldado e o marinheiro em cima do blindado), que não no conjunto e na substância (a constatação que havia uma preocupação dos comunistas em fazer Cunhal assumir atitudes públicas associáveis a gestos de Lenine). Porque na substância, a ironia de Mário Soares em realçar o quanto Cunhal aparecia empenhado a ressuscitar uma coreografia que já estava então mais do que ultrapassada, essa ironia é mais do que justificada: repare-se como na foto acima já não existirá espaço para se incluir na foto um outro militar, da Força Aérea, ramo das Forças Armadas que já existia no Portugal de 1974, mas ainda não na Rússia de 1917, onde só havia apenas soldados e marinheiros...

Sem comentários:

Enviar um comentário