12 novembro 2017

A MAIS FAMOSA COBERTURA TELEVISIVA DE UMA EXPLOSÃO DE UMA BALEIA

12 de Novembro de 1970. Desde há três dias que a carcaça de uma enorme baleia de 14 metros e de mais de 7 toneladas de peso juncava, incomodativamente, uma das praias das costas do Pacífico no estado americano do Oregon. E, quanto mais tempo passava, pior o cheiro e pior o incómodo. A jurisdição sobre as praias pertencia no Oregon ao equivalente do nosso Instituto de Estradas. É portanto compreensível que os responsáveis pela resolução do problema da baleia tivessem atacado o problema como se se tratasse de um enorme pedregulho que houvesse resvalado para bloquear uma estrada: removê-lo com explosivos! A ideia parecia conceptualmente brilhante: explodia-se a baleia e a carne e (sobretudo) a sua gordura espalhar-se-iam pela praia em pequenos pedaços para que fossem depois comidos pelos necrófagos do ecosistema, como as gaivotas e os caranguejos. Contudo, na prática, desde o principio que a reportagem televisiva mostra o desconforto do técnico encarregado da operação naquilo que se prenderia com os detalhes da sua execução. Vêmo-lo duvidoso quanto à quantidade de dinamite a empregar para a destruição do que ele designa hesitantemente por «coisa» (thing). E quanto à segurança da operação, é caricato apreciar a inconsciência daqueles mirones de primeira fila, que depois tiveram de ser escorraçados pela equipa até uma distância segura de 400 metros. E depois veio a explosão: na dúvida, o técnico decidira-se por aplicar tudo o que trouxera - 20 caixas de explosivos! (se calhar, terá pensado, os pedaços ficariam mais pequenos...) O operador de televisão filmou-a mas rapidamente desligou a máquina e pôs-se a correr para se pôr a abrigo, pois o cómico da situação rapidamente deu lugar ao tragicómico, quando enormes pedaços voadores de gordura mal cheirosa começaram a cair em cima das cerca de 75 pessoas que se haviam reunido para assistir à cena. Prova da seriedade da ameaça, as imagens da reportagem ainda mostram um automóvel que ficou completamente destroçado por um grande naco de banha voadora. Pior que isso: a maior parte da baleia ainda lá estava... Decerto não se tratará de um momento propriamente histórico, este de há precisamente 47 anos, mas em minha defesa posso acrescentar que já vi a serem qualificados como históricos, momentos muito menos interessantes do que este em televisão.

Sem comentários:

Enviar um comentário