15 setembro 2016

AS BANDAS DESENHADAS VERMELHAS DO PRESIDENTE MAO

7 de Dezembro de 1974. Com oito anos de atraso a Revolução Cultural chinesa - também conhecida por Grande Revolução Cultural Proletária - chegava finalmente às revistas juvenis portuguesas de banda desenhada, através de um desenvolvido texto pedagógico de Antoine Roux e da colaboração prestimosa de Vasco Granja, que o traduziu.

Durante os dois meses seguintes, em nove números da revista, a adolescência burguesa (ainda não em transição para o socialismo) ir-se-ia sensibilizar com as minúcias daquilo que era designado por Bandas Desenhadas Vermelhas do Presidente Mao. Ainda era demasiado cedo para a educar sobre a cisão sino-soviética, o XX Congresso e o problema do culto de personalidade...

Sem comentários:

Enviar um comentário